Desterro

Um dia todo mundo aterra sentimentos.
No barro, um miasma avança sob a pele
do que os pés calcinaram sem notar.

Havia aqui uma canção cantada a sós,
à noite, sob as cobertas, mas não embala
mais. O desalento de quem esperava

manter a vida sob uma esfinge foi
desvelado. É sabido teu tesouro: é pó
juntado ao pó de todo mundo.

Um arrepio distante, lembrança remota
de um sentimento sem desafio, percorre
o corpo. A nossa morte também dá calafrios.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s