Ao meio-dia

Com o coração num embrulho
e as pernas trêmulas,
vejo vazia e imensa
uma estrada pela frente.

A solidão nessa hora
não parece boa. Há menos
o que fazer de mim mesmo
a cada dia.

Num atrito entre as malas,
veja, não caibo mais.
Onde fui parar?
Eu não sei.. Mas, além disso,

o bom mesmo é não ir
a lugar algum.
Era ter em você
o que respirar.

Cápsula desacoplada
de tudo (temos um
problema) a que ninguém
pode acoplar…

Ao meio-dia, a noite
não assusta tanto
e o tempo… Ele só se move
mesmo por um defeito.

Viver é uma estupidez
a exigir menos
coragem
que covardia.

Olhe (não muito)
o meu beijo de adeus
para aguentar ver
cacos do meu coração (juntos dos seus)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s