Forasteiro

Já deste tudo
e resta o sangue
ventilando as memórias
que se apagam.

Deste tudo
e não resta nada
em minhas mãos
que te alcance.

Eu era teu
e, igual a uma sombra,
repetia teu carinho,
me escondia nele.

Em meus olhos,
nunca duraram as lágrimas.
Tu estavas sempre
ao nosso tempo.

Quantos invernos
me consituiram teus sonhos?
Mas, por tua causa, nunca o frio
me atingiu.

Numa árvore qualquer
da rua, esses dias escorei
o corpo para ouvir o que
ela me poderia dizer.

Sou árvore só, não sobrevivo
nem na memória das aves.
Deixo aqui mesmo
a minha sina.

Mas tu, não… Por ti plantei
o nome bem no meio
da garganta para
me atravessares a voz.

Que eu não te possa
tapar os pés… Que eu não
atenda o teu chamado
feito à distância…

O tempo, cruel
mensageiro da solidão,
nunca há de apagar
teu nome em mim.

O teu, que é o primeiro
e último nome, ficará comigo
e evitará que alguma vez
me torne um forasteiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s