O dia do brinquedo

Caixa de presente em formato de coração. A tampa está aberta.

12 de outubro é o dia do brinquedo, mas ainda não chegou o dia das crianças. O dia das crianças é todo o dia e é nenhum. É todo o dia porque as crianças estão mais do que nunca no centro da atenção do mundo adulto, seus negócios e seus problemas, apesar de nenhuma delas ter sido consultada quanto a sua participação nisso tudo. Seu dia é nenhum dia porque, quando se pensa nas crianças, normalmente se pensa em seu futuro e quase nunca em seu presente.

Nas grandes cidades, há muito tempo as crianças pobres estão na intempérie das ruas e, as que têm melhor sorte, aprisionadas em suas casas. Faz tanto tempo que os pobres estão nas ruas que isso já se tornou natural. Parece que são crianças que não vieram de lugar nenhum, mas que brotaram do chão como um tipo estranho de criaturas agrestes. Com certeza são crianças que não tem para onde ir e, se perguntadas, espantarão os adultos pela exata percepção que têm de quem ninguém virá buscá-las. O que se furtou destas crianças que não têm nada é o seu futuro.

As crianças que não são as que estão nas ruas, por sua vez, também não têm o que desejam. Nem o seu desejo. Seu querer é, quando muito, o que lhes disseram que talvez gostassem e quisessem. Por falta de tempo e de brincar, são como simulações adultas e imperfeitas. Seus jogos e brincadeiras não poderiam ser outros que não os videogames, onde treinam a estupidez dos adultos e condenam-se a seu modo de vida seduzidas por ele e nele sufocadas. E o que se furtou destas crianças que tem tudo também é o seu futuro.

O dia do brinquedo não vai resolver o problema nem das crianças pobres, nem das crianças não pobres. Mesmo coincidindo com feriado nacional, os adultos não prestarão atenção nas crianças, mas nos brinquedos. E não há quem os possa culpar por isso. Está claro que prover as crianças de inutilidades se tornou mais importante que lhes garantir dignidade e compartilhar afeto. São trezentos e sessenta e quatro dias nos quais isso fica claro e evidente. Então não é preciso tentar passar um dia da vida das crianças como se num clipe ou comercial de TV. Um dia idílico e inocente como só pode haver num clipe ou comercial de TV porque, no dia do brinquedo, a TV magicamente se enche de comerciais onde não se vendem brinquedos e as crianças estão brincando de verdade. Tudo o que havia para vender-se, na verdade, já foi vendido.

No dia do brinquedo não há o encontro da criança pobre com a criança não pobre. Não será justamente no dia do brinquedo que elas brincarão juntas. Esse encontro se dará, como o usual, através da vidraça dos carros, e não causará nada a nenhuma delas. Nem surpresa, nem estranhamento. Esqueça de uma troca de fagulha mágica nos olhares. Desista do toque angelical do dedo sujo no dedo limpo. Não são trezentos e sessenta quatro dias de diferença que lacraram essa realidade, mas a própria história desse país e desse mundo. Tem-se repetido muito que hoje é preciso desesperadamente descobrir uma forma de evitar que esse mesmo mundo vá de vez ladeira abaixo ao abismo da sustentabilidade econômica. As crianças? As crianças podem esperar. Dê-se a elas o dia do brinquedo.

* Coordenador-Geral da Inclusive (www.inclusive.org.br) e autor de Morphopolis (www.morphopolis.wordpress.com)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s